Categoria: Livros

CIVÍTICA & POLÍTICA – Do Homo oeconomicus ao Homo sapiens sapiens

Os princípios metafísicos trafegam do plano das ideias aos planos concretos da vida privada e pública, moldando a política societária cuja estrutura ideológica reforça as opções iniciais num círculo retroativo. O eixo de perspetiva cosmo-existencial é demonstrado como a opção civilizatória geradora de uma estrutura comunitária dialógica, de um ambiente civítico benevolente, eco-humanista, e, de uma economia de mercado embasada em moedas participativas e lastradas; enquanto a cosmovisão dualista, é apontada como causadora da estrutura atual, hierarquista, autoritária, representativa, sustentáculo circular e fundante de um sistema societário superestratificado, de uma economia deturpada através de um sistema monetário monopolista e fiduciário, isto é, sem lastro, corrupto e corruptor.

Baixar livro:

121023122736_2_CIVITICA_&_POLITICA_Livro_REV

EST-ÉTICA – Ensaio filosófico

A palavra ética procede do grego ethos que significava morada, lugar em que vivemos, posteriormente, passou a significar o caráter e modo de ser que uma pessoa. O termo “estético”, derivado do grego “aisthesis”, “aistheton” refere-se à percepção pelos sentidos, ou conhecimento sensível-sensorial: o conhecimento primeiro, básico, muitas vezes relegado à categoria de “gnoseologia inferior”.

Baixar livro: 

ETICA-E-ESTETICA – revisado 2017

LIVROS PUBLICADOS

Livros publicados até dezembro 2011

Baixar Livro:

121013043547_CHAMADAS_DE_PUB_DOS_LIVROS

MANUAL TERAPÊUTICO-FILÓSOFICO PACE – PSICODINÂMICA e ABORDAGEM COSMO-EXISTENCIAL

Como orientação precípua, a terapia proposta pretende posicionar o indivíduo no rumo da universalidade; minar as impressões societárias impositivas e limitantes (oriundas de debates e contendas histórico-culturais fatuais e acidentais); transcender as fixações dúbias em veracidade e legitimidade.

Baixar Livro:

121123101442_Manual_PACE

ANTROPOLOGIA Ciência e arte existencial – uma nova epopeia

  • A antropologia não pode ser neutra; o antropólogo existe como estado-de-ser situado, inscrito numa cultura, marcado por impressões batismais. Para ser digno, o estudo antropológico deve reportar ao que é universal, coligado ao que é inerente e específico do Homo sapiente, sapiente: a capacidade de enxergar-se como estado-de-ser suspenso no eternal, apto a considerar as decorrências filosóficas atinentes a tal realização, operando no aprimoramento da cosmovisão, na construção de uma comunidade virtuosa, de uma boa vida.

Baixar livro:

121123101320_A4_ANTROPOLOGIA_E_ARTE_EXISTENCIAL_rev

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén